Avançar para o conteúdo
Pesquisa no Google

A pesquisa no Google: uma análise evolutiva do SEO

Sempre que efetuamos uma pesquisa no Google, surgem milhares de páginas web com informações úteis.

A maneira como o Google seleciona os resultados que deve mostrar inicia-se antes de a pessoa escrever e orienta-se pelo compromisso do Google de disponibilizar as melhores informações.

O índice de pesquisa do Google é como uma biblioteca, com a diferença de conter mais informações do que todas as bibliotecas do mundo.

Em apenas segundos, os algoritmos de pesquisa selecionam entre centenas de milhares de milhões de páginas web do índice de pesquisa, os resultados mais relevantes e úteis para aquilo que se procura.

Os anúncios que passam no Google, são pagos para serem apresentados, embora ninguém pode comprar posicionamentos melhores nos resultados da pesquisa.

A pesquisa pode sempre vir a melhorar e é por isso que os engenheiros do Google passam todos os dias a testarem experiências todos os anos, efetuando melhorias.

Tipos de pesquisa no Google

Nesse sentido, fazer uma pesquisa no Google hoje é cada vez mais desafiante. O Google já percebe qual é a intenção de compra de quem faz a pesquisa.

Portanto, isso está intimamente relacionado com o conhecer bem o público que se quer atingir. Além disso, é preciso com uma boa estratégia de Marketing de conteúdo e de SEO.

Por isso é fundamental nesse momento alinhar a tua oferta com aquilo que o comprador necessita. Para isso, vamos conhecer agora os diferentes tipos de pesquisa.

Navegacional

Quando sabemos o que queremos procurar e sabes onde está, mas não sabemos o link para encontrar, podemos fazer a partir de uma pesquisa avançada no Google. Para saber, devemos ir à barra de pesquisa do Google e digitar “site”, na sequência, sem espaços, acrescentamos o domínio no qual o conteúdo que procuramos está hospedado. Finalizando, é só dar espaço e escrever a palavra-chave da procura.

Informacional

Esse tipo de pesquisa ocorre na primeira fase da jornada de compra, quando o utilizador ainda não sabe o que precisa e por isso pesquisa por maiores informações a respeito.

É o que acontece quando pesquisamos por uma nova máquina de lavar roupas, por exemplo. Ainda não sabemos qual a melhor e precisamos de informações sobre aquelas marcas que estão disponíveis no mercado hoje.

Transacional

Em oposição a pesquisa anterior, essa pesquisa está relacionada com a penúltima fase da jornada de compra, o momento de consideração da solução. Aqui, o utilizador já sabe qual produto precisa, mas agora quer saber onde comprar ou simplesmente comparar preços.

Local

Esse tipo de pesquisa encontra nos resultados mapas geográficos. Elas estão focadas em encontrar soluções localmente para aquilo que se precisa. Por exemplo restaurantes, bares, escolas, ginásios, salões de beleza e outros prestadores de serviço que atuam na sua região.

Encontrar a previsão do tempo

Esta é a pesquisa mais fácil e útil de todas as outras. Basta apenas escrevermos tempo ou meteorologia e o local onde queremos saber.

Além destes 5 tipos de pesquisa mencionados, existem outros como procura por palavras na URL, procura por palavras em títulos, excluir palavra indesejada, procura por expressão incompleta, procura por expressão ou frase especifica, entre outros.

Como o algoritmo funciona

O algoritmo é um conjunto de operações que mostra a maneira como os resultados de pesquisa serão apresentados aos seus usuários.

Para facilitar a vida das pessoas que começaram a utilizar a internet e os meios sociais, surgiram mecanismos de busca, com algoritmos especializados em indexar e organizar as páginas da web, o que acabou por ficar mais fácil de encontrar conteúdos.

Antes valia tudo para ganhar mais visibilidade e cliques, para salvar a qualidade da experiência do usuário, os procuradores passaram a empreender uma batalha contra os vilões da internet, o que acabou por tornar os algoritmos mais complexos para bloquear as más práticas e, valorizar os sites que entregassem os melhores resultados aos usuários.

O algoritmo, serve para descobrir, entender e organizar todo o conteúdo que está na internet, com ideia de entregar as melhores respostas para as pesquisas dos utilizadores.

Indexação e organização de informações

Os rastreadores quando encontram uma página da web, os sistemas da Google processam o conteúdo da página da mesma forma que um navegador. Regista-se tudo no índice de pesquisa, os sinais mais importantes detetam-se, como as palavras-chave e a idade do conteúdo do site.

O índice de pesquisa do Google tem imensas páginas de pesquisa, além disso, funciona como índice remissivo dos livros, com uma entrada para cada palavra vista em todas as páginas da indexadas.

A pesquisa do Google pode ajudar nas pesquisas de textos e a navegar nos dados de fontes públicas.

 A evolução dos algoritmos

Panda

A atualização Panda surgiu em 2011, afetou quase 12% dos resultados de pesquisa, penalizando sites que mostravam conteúdos com pouca qualidade, principalmente aqueles que contavam em vários anúncios. As próximas atualizações a seguir à panda, acabaram por apostar muito mais nos conteúdos dos sites.

Pinguim

Após 1 ano do lançamento panda, surgiu o pinguim, que na altura ficou conhecida como Webspam Update, que foi responsável por conter o excesso de otimizações no conteúdo. O objetivo era castigar sites que praticavam keyword stuffing. Pinguim passou por uma série de melhorias e lançamentos, até chegar a versão 4.0, quando fez parte do algoritmo Google.

Hummingbird

Este alcance surgiu em 2013 e foi uma mudança grande, uma revisão completa dele. Os resultados passaram a ir além da palavra-chave, acabando por considerar o universo semântico. O seu objetivo principal era tornar os resultados mais relacionados com a intenção de procura do usuário.

Mobilegeddon

O mobilegeddon surgiu em 2015 e esta atualização faz referência ao filme Armageddon, pelo impacto que os especialistas acreditavam que fosse causar, embora na prática o impacto não tenha sido tão grande. Esta atualização passou a priorizar sites amigáveis para os mecanismos de procura dos dispositivos móveis, sem ter noção se a página era mais ou menos adaptável a eles.

Rankbrain

Esta atualização surgiu também em 2015, que é um sistema que incorpora a inteligência artificial ao algoritmo, que ajuda na interpretação e apresentação dos resultados de procura. O sistema tornou-se um dos três principais fatores de ranqueamento, juntamente com a linkagem e conteúdo. Para otimizar o site era mais difícil, porque só podia ser feito explorando palavras-chave que fizessem parte da semântica.

Bert

A atualização bert surgiu em 2019, o Google trouxe mais uma alteração no seu algoritmo, baseado num projeto de processamento de linguagem natural com as redes neurais.

Concluindo, é importante perceber que as tendências dos últimos anos, como a otimização mobile, está cada vez mais forte. A tecnologia está sempre a evoluir cada vez mais e a impulsionar melhorias nos sistemas de busca.

Esse artigo foi útil para você? Utilize os ícones na barra a sua direita e partilhe com seus amigos e quem mais achar que deva ler isso!

Esse artigo foi produzido em parceria com a Inês Rico, a nossa Estagiária de Marketing.

Comentários