Avançar para o conteúdo

Como gerar resultados através da gestão do conhecimento

Quer tornar a sua organização mais rentável? Tem dificuldades de introduzir a melhoria contínua através da gestão do conhecimento? Saiba as respostas nesse post.

Nesse artigo você vai perceber como a gestão do conhecimento pode agregar valor a sua organização e melhorar os seus resultados através de 5 importantes elementos:

·        Melhoria na produtividade;

·        Processos mais ágeis e enxutos;

·        Redução de desperdícios;

·        Melhora contínua através da gestão do conhecimento;

·        Aumento da qualidade de entrega com foco no cliente;

Porém, antes de chegarmos as respostas para esses problemas, é preciso compreendermos o contexto da gestão do conhecimento e como o termo surgiu e evoluiu dentro das organizações.

Antes de continuar a leitura, você pode também querer acompanhar tudo no vídeo abaixo, que é um complemento para esse artigo.

Contexto

A gestão do conhecimento não é de todo um termo novo, suas primeiras aparições foram nos anos de 1970 na literatura de grandes estudiosos de gestão como Peter Drucker, Peter Senge e Leonard-Barton.

Entretanto, o termo continua ainda mais atual num mundo onde a quantidade de conhecimento, informação e dados disseminados aumentam a cada dia mais. Ainda assim, dados e informação não são considerados conhecimento até que saibamos como extrair o valor disso.

Dessa forma, são muitas as definições sobre o que é de fato gestão do conhecimento uma vez que também não há um consenso sobre o que é conhecimento puro e simplesmente.

De acordo com especialistas, estudiosos e profissionais que hoje aplicam a gestão do conhecimento nas organizações, já é possível elaborar conceitos mais atuais e definitivos sobre o tema. Acompanhe a seguir aquilo que definimos como gestão do conhecimento.

Gestão do conhecimento: a evolução conceitual

Após as primeiras abordagens nos anos de 1970, como mencionado na introdução desse texto, o termo começou a ganhar a sua definição atual em 1987, em um estudo interno conduzido pela consultoria McKinsey. Esse estudo considerava o tratamento e utilização da informação nas organizações.

Poucos anos mais tarde, em 1993, a gestão do conhecimento voltou a ser abordada em um evento organizado pela Ernerst & Young em Boston, EUA. Só que, essa foi a primeira vez que o conceito se tornou público.

Um ano depois, em um artigo científico, Tom Davenport, uma das grandes referências atuais sobre o tema, diz que: “gestão de conhecimento é o processo de capturar, distribuir, e efetivamente utilizar o conhecimento”. De acordo com notícias da época, Tom chegou a essa definição enquanto participava daquela conferência em Boston.

Quatro anos depois de Davenport dar a sua definição para o termo, o Grupo Gartner acrescentou a ela novos elementos. Bryant Duhon, consultor da Gartner, diz que os ativos envolvidos no processo incluem bases de dados, documentos, políticas, procedimentos e experiências prévias dos funcionários de uma empresa.

Assim, a gestão de conhecimento se refere a uma prática multidisciplinar que vai de encontro aos objetivos de cada organização através do melhor uso do conhecimento. Desde 1991, a gestão do conhecimento se tornou uma disciplina estabelecida abrangendo diversas áreas profissionais, tais como:

·        Administração

·        Ciências cognitivas

·        Sistemas da informação

·        Gestão

·        Biblioteconomia

·        Ciência da informação

·        Ciência da computação

·        Saúde Pública

·        Políticas Públicas

Essa abrangência multidisciplinar está igualmente presente em muitas das grandes empresas, instituições públicas e ONGs. Elas costumam ter esforços internos dedicados a gestão da informação, geralmente parte de departamentos como estratégias de negócios, recursos humanos e tecnologia da informação. Por isso, esse tema está sempre atualizado e continua a ser de extrema importância para toda e qualquer organização. Mas de que forma o conceito é implementado pelas organizações?

Gestão do conhecimento nas organizações

De acordo com o vídeo abaixo, produzido pela KMT, a gestão do conhecimento é melhor aplicada dentro das organizações onde o conhecimento pode ser dividido e combinado quando há interação entre os colaboradores da empresa.

https://www.youtube.com/watch?v=k3jo7oWzUUc&feature=emb_title

Portanto, o escopo da gestão de conhecimento incorpora: os aspectos estratégicos, ou seja, que tipo de conhecimento é preciso para ser competitivo a curto e longo prazo; entender qual é o conhecimento que a empresa já detêm e onde ele pode ser encontrado; promover o conhecimento certo, para as pessoas certas, na hora certa; assegurar que conhecimentos valiosos não sejam perdidos e, por fim, criar um ambiente onde conhecimento novo e relevante pode ser desenvolvido.

Com isso, a deficiência de uma definição clara do que é conhecimento é suprida na prática diária das empresas. Por isso, o esforço da gestão de conhecimento tem de estar associado diretamente aos objetivos de cada organização, como dito anteriormente. Alguns dos objetivos mais comuns são:

·        Conquistar uma melhoria na performance

·        Conseguir uma vantagem competitiva

·        Facilitar a inovação

·        Compartilhar as lições aprendidas

·        Integração das pessoas e melhoria contínua

Nesse sentido, é necessário perceber que a gestão de conhecimento não apenas incorpora novos conhecimentos, mas também o compartilhamento, armazenamento e refinamento do mesmo. O objetivo geral, portanto, é criar valor, alavancar e refinar os ativos de conhecimento da empresa para assim ir de encontro aos objetivos específicos de cada empresa.

As dimensões do conhecimento

No alt text provided for this image

A Implementação eficaz da gestão do conhecimento em uma organização está intimamente ligada a estratégia da organização, como visto anteriormente, fazendo com que os ativos do conhecimento encontrem os requerimentos táticos e estratégicos. Logo, requer uma integração e articulação de suas 5 dimensões ilustradas na imagem acima e explicadas abaixo:

1.     Cultura organizacional: quando a cultura organizacional está estabelecida e forte, ela provoca a colaboração das pessoas, o compartilhamento de conhecimento, aprendizado e socialização. Quando isso não ocorre, quer por resistência a mudança ou a simples recusa a seguir esses princípios, a gestão do conhecimento fica comprometida.

2.     Processos organizacionais: quando os processos estão alinhados o suficiente, ou seja, quando há a efetiva blindagem de processos, com ambientes e sistemas alinhados, as pessoas podem compartilhar conhecimento, aprender e inovar. Isso ajuda na deteção e categorização do conhecimento.

3.     Gestão e liderança: a gestão do conhecimento requer lideranças competentes e experientes em todos os níveis da organização. Para que o conhecimento seja transferido e incorporado na empresa, várias funções de liderança relacionadas as gestões do conhecimento precisam estar presentes como gerentes e corretores.

4.     Tecnologia: ela é necessária para transmitir o conhecimento codificado para quem quer que precise no momento mais adequado. São as infraestruturas de tecnologia que suportam os ambientes e processos envolvidos. Por isso, elas são propriamente desenhadas e implementadas satisfazendo os requerimentos da empresa.

5.     Políticas: são necessárias a longo prazo para apoiar e sustentar as ações que envolvem as várias funções da empresa. Por vezes algumas dessas soluções podem ser caras para implementar e podem de todo não ter um impacto visível no retorno sob o investimento.

Essa representação e divisão das 5 dimensões é de longe o único modelo possível para se apresentar aquilo que está contido na gestão do conhecimento. Conforme o estudo ao redor do termo bem como suas aplicações evoluíram, outras formas de abordar a questão foram surgindo. O mais importante e que é considerado o coração da gestão do conhecimento é a participação das pessoas e interações humanas nesse processo.

As vantagens da gestão do conhecimento

A partir das pessoas e seus relacionamentos construiu-se as dimensões e definições explicitadas nos parágrafos acima. Portanto, é possível perceber algumas vantagens na implementação da gestão do conhecimento por parte das organizações.

·        Alavanca as especialidades na equipe;

·        Fomenta a inovação e o aprendizado da organização;

·        Atinge ciclos curtos de desenvolvimento;

·        Melhora a tomada de decisão;

·        Melhora o serviço ao consumidor pela simplificação do tempo de resposta;

·        Alavanca as receitas ao levar os produtos e serviços rapidamente ao mercado;

·        Soluciona problemas intratáveis;

·        Auxilia na gestão dos ativos e capitais intelectuais da força de trabalho;

·        Reduz custos de operação eliminando a redundância e desperdício com processos desnecessários;

·        Evita o retrabalho;

·        Reusa ideias, experiências e documentos;

·        Facilita a busca por informações e recursos;

·        Comunica informação importante de forma ampla e rápida;

·        Permite a organização alavancar o seu tamanho;

Como pode ser percebido, a lista de benefícios é extensa e de alto valor para a produtividade das equipes de trabalho de toda e qualquer organização. Em resumo, com uma abordagem criativa de gestão do conhecimento, também é possível melhorar a eficiência dos serviços e aumentar consideravelmente a receita em qualquer área funcional da empresa.

Resumindo

Sendo assim, como pode ser observado ao longo desse post, a gestão do conhecimento teve seu início no universo da consultoria empresarial, mas acabou por se expandir e ser aplicado em diversos ramos do tecido empresarial. Por isso, existem inúmeras definições para o termo, assim como também diferentes abordagens a respeito de suas dimensões e estratégias.

Esse artigo, portanto, não pretende esgotar o tema, mas sim oferecer uma visão geral desse que é um dos ativos mais importantes de uma organização. Através de suas primorosas vantagens, fica claro o poder do aprendizado, compartilhamento do conhecimento, socialização e consequentemente interações humanas para a gestão do conhecimento.

Se esse texto foi útil para você e sua empresa, compartilhe com todos aqueles que você acredite que também poderão se beneficiar das lições nele transmitidas. 

Esse artigo foi originalmente publicado em Inglês no site: https://blindagemdeprocessos.com/category/blog/

Comentários